A farsa da mentira

A frase “uma mentira repetida mil vezes vira verdade”, é atribuída ao marqueteiro de Adolf Hitler, Joseph Goebbels, e teve a intenção de fazer a patuléia acreditar em algo que, primariamente, seria absurdo, estúpido, inconcebível, ou mesmo impossível. Na melhor das hipóteses, uma grande asneira. Mas dita várias vezes que não é, as pessoas acabam acreditando. Adquire fé pública, inclusive.

Durante esse massacrante processo eleitoral nas hostes avaianas, muita coisa está sendo dita, muita agressividade está aflorando, muitos defensores de morais tacanhas apareceram, muitas máscaras estão caindo e muita mentira está sendo conduzida a virar verdade. O partido político que está virando os tais dos mais fortes parece-nos, dia após dia, tentar incutir na mente dos mais incautos que a eleição para o Conselho Deliberativo, ao qual estão se apegando como água no deserto, é apenas para eleger “conselheiros honestos”. Nada mais que isso.

A ideia difundida é a de que não se deve misturar a administração Zunino com isso e quem o está fazendo age de má fé.

Ou seja, se pelo estatuto atual (que alguns deles refugaram e não revisaram) este processo conduz sócios ao Conselho Deliberativo para, exatamente, eleger a próxima diretoria executiva, é óbvio que os conselheiros votados agora terão influência total na escolha da próxima diretoria. E é evidente que o acirramento da campanha pelos ditos de oposição tem as suas inclinações políticas e quer, sim, derrotar os “partidários” do Zunino custe o que custar. Mais claro que isso só água mineral. Mas seus marqueteiros querem imitar Goebbels, repetir uma mentira para transformá-la em verdade, ao demonstrar que são coisas distintas. A propósito, começo a ficar desconfiado se eles mesmos sabem disso, haja vista tamanha defesa de tese, criando soluções desnecessárias para problemas inexistentes.

Aliás, a campanha está mostrando que a tal discussão de ideias prometida por eles é uma falácia desmedida. O que se vê, na verdade, é uma agressividade exorbitante e sem sentido, apelos à honra e à moral das pessoas e muitos argumentos ad hominem, o que configura desespero, dificuldades cognitivas e muita falta de criatividade. A velha lógica de, se não tem capacidade de manter um debate, agrida, ofenda e denigra, foi aprendida e está sendo mantida a rodo. A ideia não é debater, mas vencer o debate.

Pessoas alinhadas à situação estão virando, do dia pra noite, bandidos abomináveis e de moral mais baixa que assassinos do Talibã. Se até ontem alguns deles bebiam no mesmo copo uns dos outros, o despreparo em conceber ideias divergentes está levando os mais fortes a expurgar velhos amigos que aderiram à situação. Quanta mediocridade! Que desepero é esse?

Baseado nisso vou levar em conta o que um infeliz dos mais fortes disse-me ontem no twitter, quando até minha família ele quis envolver: tem muita gente querendo mamar nas tetinhas da Ressacada, e eu afirmo que, principalmente, os que ficaram de fora durante doze anos.

Anúncios

2 pensamentos sobre “A farsa da mentira

  1. Está uma apelação sem tamanho.
    Parece que o Avaí retrocedeu nos 12 anos passados.

    Falar em livro aberto, CD atuante, clube participativo,…é legal, mas pq os que mudaram de lado não propuseram isso antes?
    Onde estava o atual candidato a presidente do CD da chapa 2 que não participou do clube?
    Na entrevista de hoje ele afirmou que se afastou desde 2005…

    Não vi ninguém falar da carcada que o Perivaldo deu no Avaí. Esse ônus foi “compartilhado” em favor da democracia?

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s