Os miseráveis

Passei meu último fim de semana na Serra Gaucha, conhecendo a famosa Festa da Uva de Caxias do Sul e apreciando os mais variados vinhos, sucos de uvas, colhendo uvas nos parreirais, amassando uvas na mastela para fazer vinho, visitando vinícolas, castelos, caves e adegas as mais variadas e comendo todos os tipos de massas, carnes e doces da cultura local. Foi fabuloso e já deixa recordações pelos ótimos momentos.

Porém, como um bom e inveterado chato que sou, quando vou para estes lugares não me contento apenas em comer, beber e me divertir, mas em ouvir as pessoas, o que elas tem para dizer e qual suas histórias de vida. Colhi, além das uvas, frases e experiências.

Uma delas, proferidas pelo seu Juarez Valduga, dono e principal funcionário de uma das maiores vinícolas da América, a Vinícola Valduga, me chamou a atenção pelo momento e pelo entorno. Ele disse, rodeado por empregados e por turistas ávidos por uma taça de espumante geladinho, que o trabalho é o que gera a riqueza.

Interessante, né? Simples. Direta. Objetiva. Uma frase de efeito, bem colocada, dosada pra fazer repercutir. É uma das frases que mais se lê nestes livrinhos de auto-ajuda, que muito servem para ajudar seus escritores a ficarem ricos. Bom, tirada do contexto, esta frase era apenas isso, um epíteto bonitinho.

No entanto, ao saber que o seu Valduga começa a trabalhar às cinco da manhã, já na terra e cuidando de seu enorme parreiral, colhendo uvas, levando-as para a fabricação do vinho, avaliando uma a uma as milhares de garrafas em maturação em sua enorme adega e acabando a lida lá pelas sete da noite, todos os dias, faço chuva ou faça sol, percebo que a tal frase tem um enorme valor. Ele chegou onde chegou, uma potência no mundo da vinicultura, não porque senta atrás de uma mesa e espera os empregados lhe trazer as moedinhas, mas porque levanta cedo e vai trabalhar, de sol a  sol, para depois colher os frutos, literalmente. A riqueza dele é tirada do seu próprio suor.

Ao saber, lá, num lugar distante, num local onde o futebol é respirado por outros clubes, que o meu clube do coração, cujos jogadores fracassados e cansados perdem para uma combalida Chapecoense, está num hexagonal disputando um não rebaixamento, é que percebo o quanto estamos pobres. Não por dívidas, falta de empresários ou financiadores, mas pobreza de dignidade, de atitude, de honra e coragem e sobrando displicência e pouco caso.

O time do Avaí, hoje, é um resto. O que sobrou do banquete. Um osso mal raspado dado aos cachorros. O pó de café já passado que restou no coador. Um bando de miseráveis na linha da pobreza.

Não existe salários ou algo que o valha que resolva isso. Não existe cabeça de burro enterrada. Não é por malquereres. Não é nem pelos vinte centavos. O que falta na Ressacada, neste time do Avaí, é vergonha na cara.

Anúncios

3 pensamentos sobre “Os miseráveis

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s