O melhor dia de todos

ou quase …

Não entendeu o título? Clica no play e segue lendo o texto:

Dia: Sábado, 17 de maio de 2014

Objetivo: Fazer com que o meu filho tenha a melhor primeira experiência de ir num estádio de futebol

 

Faz um pouco menos de um mês que o meu filho pediu: “Pai, quero ir no campo ver um jogo do Avaí”. Seria sua primeira vez num estádio de futebol, e eu gostaria que ele tivesse uma experiência diferente da imagem que eu tenho da primeira vez que fui assistir uma partida. Ou seja, tudo deveria transcorrer muito bem.

O próximo jogo que o Avaí faria num sábado à tarde, seria contra o Ceará, no dia 17/05. Agora era só torcer e ter pensamentos positivos para dar um bom dia de sol.

O sábado dia 17 chegou e nenhuma nuvem havia no céu. Sol resplandecente e um dia propício para ir ao estádio.

Antes, porém, bem mais cedo o meu filho tinha escolinha de futebol na sua escola. E enquanto nos preparávamos para sair de casa (minha esposa, ele e eu), a TV foi ligada e sintonizada num canal de desenho. Era o episódio do Bob Esponja, cuja música tema é o vídeo acima. Propício, não!?

Afinal, era isso que eu desejava proporcionar ao meu filho: o seu melhor dia de todos!

Depois do seu treino de futebol nos dirigimos para o Carianos onde faríamos um churrasco na casa do meu irmão antes de irmos ao jogo.

No caminho decidi sugerir para minha esposa: Vamos passar na loja do Avaí? Quero comprar uma camisa para o Neto e para mim.

Ela topou e fizemos a parada na Ressacada. E lá, na Avaí Store, a primeira surpresa do dia. Minha esposa decidiu que também queria uma camisa do Avaí e que também iria ao estádio. Opa! Dois estreantes dentre os torcedores!

Depois disso, foi saborear o churrasco e assistir a preliminar do jogo da Ressacada: o empate entre Barcelona e Atlético de Madrid, que consagrou este último campeão espanhol.

Então partimos para a Ressacada. Precisava, ainda, comprar os ingressos e levar o Neto para o setor onde ele entraria com outras crianças, junto com os jogadores.

 

 

Minha esposa e eu levamos o nosso filho e o nosso sobrinho para o setor onde as crianças se encontram. E sob o comando da Maria Helena Müller elas foram levadas até o túnel de saída dos jogadores. Antes, outra surpresa: Maria Helena me convidou para ser uma das pessoas a entrar em campo carregando a bandeira de Santa Catarina. Prontamente aceitei, claro. E foi uma experiência muito legal estar ali ao lado dos jogadores, perfilados, para a execução dos hinos.

Durante o jogo, na torcida, a minha esposa cantava, reclamava do juiz, vaiava o adversário. Do outro lado, meu filho brincava com outras crianças, assistia o jogo, também reclamava do juiz e vaiava. Na hora do gol avaiano pude vê-lo pular de braços erguidos e soltar o grito de gol da garganta. Era o clímax do que estava sendo o melhor dia de todos.

Mas tem “ou quase” lá em cima, antes do vídeo, reparaste?

Pois é, tenho que falar do jogo. E logo no início o Leão quase abriu o placar, após um cruzamento do Bocão. Em seguida, num outro ataque do Avaí,  juiz quase deixou de aplicar o cartão amarelo para o defensor do Ceará, que fez uma falta dura no jogador avaiano. O Avaí teve algumas oportunidades de abrir o marcador no primeiro tempo, apesar de CS88 estar jogando muito abaixo de sua capacidade e Tinga continuar sendo o Tinga. Assim como o Ceará quase abriu o marcador, tendo Vagner efetuado uma defesa de puro reflexo. Questiono: por que os jogadores do Avaí não chutam de fora da área no gol adversário?

No segundo tempo, o árbitro demonstrou estar fora de sintonia com a partida. Deixou o time do Ceará bater e até mesmo agredir os jogadores do Avaí, sem puní-los devidamente. E o auxiliar do lado do setor A, que no primeiro tempo pareceu estar com o braço engessado de tantos impedimentos que marcou, não viu o impedimento no gol do Ceará. Circunstâncias como estas nos fazem pensar na existência de situações extra campo.

O técnico Pingo errou ao sacar o Anderson e colocar o Roberto. Este parece não querer mais jogar no Avaí. Deixa treinando em separado. Paulo Sérgio, que entrou depois, pelo menos demonstrou vontade em jogar.  Ontem, na segunda etapa, pude acompanhar as jogadas do lateral esquerdo avaiano. Jogada típica: Eduardo Neto abre na lateral e recebe a bola para prosseguir em profundidade. Ele para a bola e volta o jogo. Na marcação sempre deixa o lado esquerdo desguarnecido e está mais centralizado. Será que o Pingo não quer testá-lo como líbero? Quem sabe dá certo, pois ele quase nunca está na lateral.

Diga-se de passagem, da forma que está ou Tinga e Eduardo Neto deixam de ser titulares, ou o Pingo deixará de ser técnico do Avaí. Assim como está o clube não chegará em lugar algum.

É de se ressaltar as boas atuações de Diego Jardel, Eduardo Costa e do goleiro Vagner. A dupla de zaga também foi melhor do que nas partidas anteriores.

No final das contas, o Avaí quase ganhou, mas o Ceará quase virou, ou seja… quase foi o melhor dia de todos!?

Claro que não! Apesar do empate, foi sim o melhor dia de todos. Afinal, num belo dia de sol, com pouco vento na Ressacada e torcer para o Avaí ao lado da esposa e do filho (além do meu irmão, cunhada e sobrinho), confesso que o placar, ontem, ficou em segundo plano! Afinal o veredito do meu filho foi:”muito legal, gostei muito”!

Anúncios

6 pensamentos sobre “O melhor dia de todos

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s