Por mais que alguns menos, por Carlos Cidade

Por mais que “alguns” estrangeiros ou mesmo nativos
corrompidos “lá do alto” se empenhem para que seja diferente,

a Ilha formosa permanece cheia de graça e nela, o time da raça.

Por mais que representantes da justiça desportiva sejam “legalmente” injustos
ou ilegalmente “justos” em suas decisões envolvendo o Leão (AFC),  o que é,
estará sempre ileso:

É povo é gente, é bola pra frente, É só coração o meu Avaí
Avaí meu Avaí. Da ilha és o Leão Avaí meu Avaí.
Tu já nasceste campeão

Por mais que alguns jogadores, nos últimos cinco meses, tenham sido
efetivos em seus propósitos funestos e por consequência  afrontado
a NAÇÃO AVAIANA, sujeitando-a à humilhação, à vergonha, ao vexame,
jamais tocarão o que é intocável e imaculado.
Com eles, sem eles ou apesar deles e sua perfídia, dissimulação e desmazelo,
está posto: AVAI FUTEBOL CLUBE, não dá para esquecer o seu belo passado.

Esses madraços, protagonistas de um “grande embaraço”, que se aprumem e tomem como exemplo jogadores como Saul, Nizeta, Cavallazzi, Deodato, Zenon, Orivaldo, Maneca e tantos outros para quem, em seu tempo se poderia cantar:

Mas a hora é presente e o time vem quente

De encontro marcado com seus dias de glória
Pois a ordem é vitória Vencer, vencer.
 
É bom o momento do futebol; há uma sequência de vitórias. Mas o próprio hino do Avaí me diz que há algo mais a ser vencido, além do jogo jogado em campo.

Anúncios

A opinião de Fernando Pinheiro Guimarães

Prezado,  assim como outros tantos, M10 e CS88 são meus ÍDOLOS. A eles devo minha eterna gratidão por tudo que já fizeram pelo AVAI. Os ÍDOLOS são da TORCIDA e do CLUBE, não são propriedade particular dos AMIGOS. Não sou amigo de M10 e tampouco do CS88. Não tenho essa pretensão, mas se isso vier a ocorrer algum dia, será bem legal. Só que a condição de ÍDOLOS não lhes dá IMUNIDADE a CRÍTICAS. Assim como muitos torcedores, inclusive EU, criticaram a DIRETORIA do AVAI quando errou, CRITIQUEI e sempre vou criticar meus ÍDOLOS quando estiverem MAL, ou sem apresentar aquilo que a gente espera deles, sobretudo a VONTADE, a LIDERANÇA, o COMPROMETIMENTO e a RAÇA. Dito isso, afirmo que não quero DEFENESTRAR ninguém, muito menos esses dois caras. Ontem JOGARAM BOLA e espero que continuem nesse embalo. Só não me retirem o direito de os criticar quando eu assim considerar que devo fazer. Da mesma forma, quando a diretoria errar, vou criticar. Sempre estarei com meu braço estendido para ajudar nosso AVAI. Espero que os ÍDOLOS também tenham esse mesmo intento e demonstrem o mesmo empenho SEMPRE. Fico por aqui, grande abraço. AVAÊH!

Torcedor leigo, por Mauro Cesar Pinheiro

O leigo do torcedor é na verdade aquele torcedor que paga sua mensalidade em dia, aconteça o que acontecer ele paga, ele vai ao estádio, com ou sem fila, faça chuva ou tenha sol de 40 graus ( setor D é terrível ), ele torce e sofre com o seu time na derrota; o leigo do torcedor não é conselheiro nem puxa saco de algum ralé da imprensa ou blogueiro metido a intelecto para obter informação privilegiada; o torcedor, aquele considerado leigo, sofre sozinho ouvindo ou lendo todos dando opiniões absurdas sobre o que acontece no nosso AVAI, porque a VERDADE, mesmo, ninguém fala para o leigo do torcedor.

Nota da coluna: Mauro Cesar Pinheiro é daqueles torcedores com mais razão e menos vontade de aparecer. Felizmente, a maioria é como ele.

Quem quer amêndoa? por Carlos Cidade

Levando em conta as referências históricas que tenho do AVAI, foi e tem sido acachapante assistir a explicita eversão do time em campo.

O que seria uma contingência no futebol, para o Leão se tornou repetição.

A decadência é fato consumado. De fato! E como um fato, não requer discussão, tampouco que se vá as vias de fato tentando afirmar ou negar a sua existência. Foi colocado à mostra. Está posto. Lida-se com isso.

Dizer que isso é horrível – e é! – ou usar qualquer outro adjetivo, através do qual se tente expressar a indignação sentida, é normal. Mas somente adjetivar a situação a partir de um ponto de vista isolado, raramente mudará o problema estabelecido. A indignação poderá ser um combustível potente, desde que canalizada apropriadamente para um interesse comum. No caso, óbvio, do Avaí Futebol Clube.

No que tenho lido e ouvido a respeito disso, há tipos de abordagem que ficam apenas à margem do fato. Parece-me um tornado; um vórtice, como o fato consumado, acumulando em seu entorno quase tudo o que toca. Uma barafunda especulativa mesclada a algumas evidências. Prefiro estar atento às evidências, refletir e discutir sobre elas.

A discussão é sempre necessária e útil. Mas prescinde de opiniões egóicas.

Do contrário não será uma discussão e sim um tedioso monólogo.

Não tratarei a situação a partir do que eu acho que a derivou.

E sim da situação (problema) em si, para então detectar através de investigação direta, os elementos que a originaram. E assim, trata-los segundo o seu próprio mérito.  No caso, que sejam EXTIRPADOS. Como fazemos com aquele viruzinho que começa a nos afetar.

Não estou interessado e nem tão distraído a ponto de comer a casca e jogar a amêndoa fora.

Reféns, por Adriano Assis

Nosso amigo Adriano Assis publicou este texto em seu blog, que li, gostei e dou de graça:
Sim, me sinto um refém! Impotente diante do que estou vendo! 
É uma sensação horrível, degradante eu diria!
Imaginem comigo: O que levou o Avaí a fazer a recuperação que fez no campeonato, depois de estar na zona de rebaixamento? Salário atrasado? Novamente essa ladainha? 
A voz corrente era que nosso time tinha qualidade, não podia estar onde estava, que o encaixe demorou, mas aconteceu, e por aí foi…
 
O que leva o Avaí a fazer duas vitórias expressivas fora de casa e encaminhar o G4 (Joinville e Paraná), não era salário em dia…
Entrevistas dando conta que o planejamento estava dando certo, que era hora de entrar no G4 e lá ficar…
 
Como explicar o que está acontecendo com o Avaí das últimas rodadas?
 
Gente, vamos ao núcleo da questão, os jogadores, sim os jogadores, somos reféns desses caras, literalmente! Fazem o que querem e quando querem e o Avaí assisti resignado!
 Ah… o Júlio Rondinelli!!! Agora é o Rondinelli? Ficamos um mês sem ouvir  falar nesse sujeito, quando as coisas estavam dando certo, agora vamos botar na conta dele? Cômodo demais…
Ah o Ênio Gomes… Na mesma toada do Júlio (deixa quieto, tá dando certo), agora carca!!!
 
Agora é molinho botar na conta, o certo meus amigos, é que os jogadores engoliram essa turma toda, Presidente, Rondinelli, Ênio, Hemerson Maria, Emerson Nunes e todo resto… Fizeram o que quiseram, os responsáveis avaianos não conseguiram conduzir o grupo de 2013. 
 
Diante de salários, sereno e bebida, os exageros por um tempo deram certo, na hora que se cobrou responsabilidade, os jogadores fizeram suas escolhas!
 
Daí meus caros, cada um escolhe o “cristo” que quiser… 
 
O certo é que fomos reféns!

Opinião de torcedor, por Fabio Flora

Achei que o Avaí venceria com certa facilidade, mas acredito que os jogadores também pensaram igual, só que eles não podem pensar isso de nenhum adversário.

São bons jogadores, alguns consagrados, estão numa boa fase, mas tem que entrar 150% focados e se baixar disso passamos a ser um time comum.

A derrota faz parte do futebol, então vamos virar a página e usar esse aprendizado para o clássico.

Apesar da fragilidade do adversário, eles estavam mais focados e venceram com justiça.

Não sei se foi falta de foco, se jogaram com menos intensidade para se pouparem, se jogaram achando que a vitória cairia do céu, se foi o clima, gramado, a bola, não sei, não sei mesmo,…só não deu certo.

Domingo temos que jogar juntos para ganharmos forças na remada. “É NECESSÁRIO!”